Sejam bem -vindos

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Caucaia do Alto: Final de Semana: Ônibus fica “atravessado” no bairro dos Pereiras por falta de asfalto em rua.


Após chuvas, estrada fica intransitável e um ônibus acabou ficando atravessado na pista.


Pereiras (2)
Pereiras (1)No início da tarde deste sábado (27), um ônibus que faz a linha do Terminal Cotia x Caucaia do Alto (via Pereiras), ficou atolado no bairro dos Pereiras, a menos de 3 KM de Caucaia, o ônibus ficou atravessado na estrada que não tem asfalto.
O  morador Bruno Rodrigues, que já denunciou as condições de tráfego da estrada, flagrou o veículo sendo retirado por uma máquina,  mais um ano se passando e o mesmo problema no Bairro dos Pereiras disse o morador.


Fonte: CotiaeCia 

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

TRABALHO: União aperta controle sobre seguro-desemprego


Para reduzir fraudes e despesas no médio e longo prazo, o governo federal passou a exigir das empresas que informem, no momento da contratação, se o funcionário está recebendo, ou requereu, o seguro-desemprego. Desde a semana passada, as companhias estão obrigadas a repassar essa informação ao Ministério do Trabalho, além das já prestadas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

A legislação proíbe que a empresa contrate um trabalhador sem que o pagamento do seguro-desemprego seja interrompido. Porém, como em algumas situações existem fraudes - combinação entre empresa e funcionário para que a contratação seja feita apenas após o recebimento de todas as parcelas do benefício -, o governo quer ter mais informações para conter esse tipo de irregularidade, que acontece principalmente em pequenas e médias empresas. O governo não tem estimativa do custo dessas fraudes.

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, disse ao Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor, que, inicialmente, será feito um projeto-piloto em Brasília que depois será estendido para todo o Brasil. O ministério pretende também fechar acordo com a Caixa Econômica Federal para que seja feito um cadastro digitalizado dos beneficiários do seguro-desemprego para dar mais segurança ao processo de pagamento.

No primeiro semestre deste ano, os gastos com seguro-desemprego atingiram a marca de R$ 15,319 bilhões, o que representou ligeira queda de 4,11% ante igual período do ano passado (R$ 15,976 bilhões). A estimativa para o ano, no entanto, é que essa despesa totalize R$ 35,204 bilhões, segundo o boletim de informações financeiras, referente ao terceiro bimestre, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Em 2013, o desembolso foi de R$ 31,902 bilhões.

O advogado trabalhista da IOB, do grupo Sage, Glauco Marchezin, concorda que a exigência deve evitar pagamentos indevidos e fraudes no seguro-desemprego, como a combinação entre empregador e empregado para que o registro em carteira seja feito apenas após o recebimento da última parcela do benefício. Se a empresa não apresentar ou atrasar o envio das informações, estará sujeita a multa, calculada com base no número de trabalhadores com dados não repassados e o tempo de atraso.

Empresários estão divididos em relação à medida. Enquanto alguns não veem problema no aumento da burocracia ao prestar informações para o Caged, outros recebem a novidade com ressalvas. O proprietário de uma rede de óticas no Espírito Santo, Cleiton Ginaid, gostou da nova norma. "Burocratizar é válido quando ajuda a resolver um problema", disse. "O empregador passa a ser testemunha de uma falsa solicitação do seguro-desemprego."

Já o empresário e superintendente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) do Maranhão, Manuel Joaquim, tem outra opinião. "O controle [dos pedidos de seguro-desemprego] não pode passar para o empresário, porque vira obrigação e depois ele é punido quando não presta", disse.

Nos últimos anos, o governo tem reclamado das elevadas despesas com seguro-desemprego, apesar de o país viver em uma situação considerada como de pleno emprego. Em dezembro de 2013, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, se reuniu com representantes das centrais sindicais para definir medidas que pudessem reduzir esses gastos e também conter fraudes no pagamento.

As negociações não tiveram sucesso, pois os sindicatos avaliaram que as mudanças propostas prejudicariam o trabalhador. Para ter uma forte desaceleração das despesas com seguro-desemprego, o governo precisaria alterar leis existentes para apertar as regras de concessão do benefício, o que, em ano eleitoral, não seria nada popular. Além disso, não havia apoio das centrais sindicais para adoção de medidas que, na avaliação delas, representariam uma redução de benefício ao trabalhador.

Uma das medidas apresentadas na ocasião foi a restrição do número de parcelas do seguro, que hoje varia entre três e cinco no primeiro pedido. Pela proposta, a partir da segunda solicitação, o trabalhador teria entre duas e quatro parcelas e no terceiro, o benefício ficaria entre uma e três parcelas. O período de carência entre um pedido e outro, atualmente de 16 meses, poderia ser ampliado. Na semana passada, em entrevista ao Valor PRO, Mantega não adiantou se o governo vai mudar as regras de acesso ao seguro-desemprego e ao abono salarial, tornando-as mais restritivas para reduzir o ritmo de crescimento das despesas. "Não vamos tirar direitos dos trabalhadores".

Fonte: Valor Econômico

Bancários decidem entrar em greve a partir da próxima terça-feira (30/09)

Sindicatos decidiram aderir à greve em ao menos 19 estados mais o DF.

Trabalhadores pedem reajuste salarial e melhoria em condições de trabalho.

Sindicatos de bancários em ao menos 19 estados mais o Distrito Federal decidiram em assembleias realizadas nesta quinta-feira (26) entrar em greve a partir da próxima terça (30), com duração indeterminada, informou em comunicado a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Os sindicatos reivindicam reajuste salarial de 12,5% e melhorias nas condições de trabalho. Segundo a Contraf-CUT, os trabalhadores recusaram proposta de 7% de reajuste apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) na última sexta-feira (19). Funcionários dos bancos públicos também rejeitaram as propostas feitas pelas instituições para as pautas de reivindicações específicas.

Os estados em que sindicatos decidiram aderir à greve foram, além do Distrito Federal: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Pará, Roraima, Acre, Sergipe, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraíba e Bahia.


Fonte: G1 notícias

domingo, 28 de setembro de 2014

Boa semana a todos.



Desejo a todos uma semana abençoada e de muitas vitórias e sucesso.

Por: Carlinhos Aniceto

Via Sul é condenada a multa de R$ 2,5 milhões por “condições degradantes” de trabalho


Via sul condenada
Ônibus da Via Sul. Empresa foi condenada a pagar multa de R$ 2,5 milhões por expor funcionários a longas jornadas de trabalho, obrigar dupla função e não oferecer condições adequadas para motoristas e cobradores. Foto: Adamo Bazani
Via Sul é condenada a multa de R$ 2,5 milhões por condições “degradantes” de trabalho
Segundo Ministério Público do Trabalho, empresa submetia funcionários a até 16 horas de trabalho por dia sem direito a parada para refeição
A Via Sul Transportes Urbanos Ltda. foi condenada pela Justiça do Trabalho a pagar multa no valor de R$ 2,5 milhões por dano moral coletivo pelo fato de, segundo o Ministério Público do Trabalho, expor os funcionários a situações degradantes como 16 horas de serviço sem parada para refeições e por falta de condições adequadas para motoristas e cobradores exercerem suas atividades.
Por decisão da Justiça, de acordo com o Ministério Público do Trabalho de São Paulo, a empresa também não pode obrigar a dupla função, pela qual o motorista dirige e cobra a passagem ao mesmo tempo. Cabe recurso da decisão.
Segue nota completa do Ministério Público do Trabalho de São Paulo divulgada nesta sexta-feira, dia 26 de setembro de 2014:
A Via Sul Transportes Urbanos Ltda. foi condenada nesta terça (23) pela justiça do trabalho a pagar R$ 2,5 milhões em danos morais coletivos pelas condições de trabalho degradantes a que submetia seus empregados. A empresa chegava a exigir jornadas de 15 a 16 horas diárias, sem intervalos para as refeições.
O Inquérito civil conduzido pelo Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT-SP), que entrou com a ação civil pública contra a empresa, ouviu diversos trabalhadores relatando que eram obrigados a fazer as tais “horas extras”, que eram muito além do permitido por lei (2 horas). Elas eram pagas “por fora” com valores inferiores ao que seria devido, para não constarem no holerite, como forma de burlar a fiscalização.
Em um dos relatos feitos ao MPT, um trabalhador (o nome será mantido em sigilo) afirmou: “Os empregados não podem recusar-se a fazer a jornada de trabalho exigida pela empresa com “fominha” (horas extras pagas por fora) porque, se recusarem, podem ser punidos com um “gancho” (suspensão)”.
Outro depoente afirma que já presenciara diversas vezes a dispensa por justa causa de empregados que haviam se recusado à jornada de trabalho dobrada. A empresa também obrigava o motorista a realizar a função de cobrador, caso este não estivesse presente. “Só a exigência rotineira de duas horas extras diárias dos empregados já seria motivo suficiente para propor a ação civil pública, já que a exigência de sobrejornada nunca pode ser rotineira”, afirmou Celia Regina Camachi Stander, vice-procuradora-chefe do MPT-SP, que ajuizou a ação.
Outra prática da empresa era não permitir que os empregados fizessem pausas para almoçar ou jantar. A própria empresa confessou que seus motoristas e cobradores tinham apenas 30 minutos de descanso diluídos ao longo da jornada.
“Não é o ser humano que deve ser adaptado à atividade empresarial, em clara violação às necessidades básicas de qualquer ser vivo. É a atividade empresarial que sempre deve respeitar os preceitos mínimos de sobrevivência digna”, afirmou o juiz do Trabalho Carlos Eduardo Ferreira de Souza Duarte Saad, na sentença judicial.
A decisão também obriga a Via Sul a deixar de exigir as horas extras além do permitido legalmente e pagas sem registro. Deverá dar aos trabalhadores os devidos intervalos e um meio ambiente de trabalho adequado aos seus funcionários; abster-se de obrigar o motorista ou cobrador a exigir a dupla função (motorista/cobrador). Caso haja descumprimento, a empresa terá de pagar uma multa diária de R$ 20 mil por cada infração.
O Blog Ponto de Ônibus não conseguiu localizar nenhum representante da Via Sul para comentar a decisão.

Fonte:  por: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Licitação da Área 5 da EMTU – Propostas vão ser apresentadas

Licitação da Área 5 da EMTU – Propostas vão ser apresentadas em 11 de novembro

EMTU lança edital da licitação da área 5 no Diário Oficial do Estado de São Paulo


área 5 do ABC
Ônibus intermunicipal do ABC. Interessadas em licitação devem apresentar propostasx em 11 de novembro. Foto: Adamo Bazani



A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos publicou no Diário Oficial do Estado o aviso de licitação para a área 5, correspondente aos serviços de ônibus intermunicipais do ABC Paulista, que ligam a Capital e as cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.
A licitação será bem menos exigente do que os editais das outras quatro áreas cujas concorrências públicas foram realizadas em 2006. Em 2016 deve ser realizada outra licitação no sistema geral da EMTU

IDADE DA FROTA:
Os ônibus terão exigência de idade máxima de 10 anos para micros e convencionais e de 12 anos para articulados. A idade média é de 8 anos, conforme o edital:

CONFIRA
AREA_5_ADAMO_BLOG_PONTO_DE_ONIBUS_1
NÚMERO DE PASSAGEIROS EM CADA LINHA:
O edital também apresenta o número de passageiros transportados em cada linha. Diariamente, cerca de 200 linhas atendem 300 mil passageiros nos serviços intermunicipais no ABC:

CONFIRA:
AREA_5_ADAMO_BLOG_PONTO_DE_ONIBUS_2
RECEITA DE CADA LINHA DO ABC:
A gerenciadora revela também para os interessados a receita de cada linha do sistema intermunicipal do ABC

CONFIRA:
AREA_5_ADAMO_BLOG_PONTO_DE_ONIBUS_3
As empresas ou consórcios devem apresentar as propostas comerciais e os documentos de habilitação no dia 11 de novembro de 2014 no auditório da EMTU , em São Bernardo do Campo.
O edital prevê uma frota de 799 ônibus, sendo 745 comuns e 54 seletivos, do tipo rodoviário.

A PUBLICAÇÃO NO DIÁRIO OFICIAL PODE SER CONFERIDA EM :
AREA_5_Adamo_Blog-Ponto-de-Onibus
As operações começam em 180 dias após a assinatura do edital já com a implantação do sistema de bilhetagem eletrônica.
Desde 2006, a EMTU tenta sem sucesso licitar a área. Os ônibus intermunicipais do ABC estão entre os mais velhos do Estado de São Paulo e boa parte das empresas entre as que recebem as piores avaliações no IQT – Índice de Qualidade da EMTU.

Fonte:  por: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Empresas de ônibus de Curitiba fazem campanha para uso do transporte público


setransp
Empresas de ônibus e Curitiba e região metropolitana fazem campanha para incentivar o cidadão a deixar o carro em casa e experimentar transporte público. Além da melhoria da qualidade dos serviços, é necessária uma mudança cultural para que as pessoas pelo menos algumas vezes por semana reduzam os deslocamentos por meios individuais. Foto: Gerson Klaina

Empresas de ônibus fazem campanha para uso do transporte público em Curitiba
Para sindicato das companhias de ônibus, a mudança de comportamento da população em relação aos deslocamentos diários também é uma questão cultural
Mesmo sendo a cidade do mundo onde surgiu o primeiro sistema de corredores de trânsito rápido para ônibus (BRT) e ainda hoje sendo referência mundial quando o assunto é mobilidade urbana, Curitiba sofre com os constantes congestionamentos.
O problema se estende para outras cidades vizinhas que formam a região metropolitana.
Apesar das necessidades de melhoria, como redução do excesso de lotação em algumas linhas, e da ampliação nos serviços de ônibus, a oferta de transporte público permite que o passageiro se desloque por 14 cidades pagando uma única tarifa por tempo indeterminado, desde que as integrações ocorram nas estações-tubo e nos terminais de ônibus. A RIT – Rede Integrada de Transporte com 1 mil 945 ônibus atende 2 milhões 270 mil pessoas por dia.
No entanto, muita gente em Curitiba e nas cidades vizinhas sequer experimentou a possibilidade de se deslocar por transporte coletivo.
Por isso, o Setransp – Sindicato das Empresas de Transporte Urbano e Metropolitano de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana decidiu fazer uma campanha de conscientização quanto ao uso do transporte público.
Uma das ações foi colocar em diversos pontos da cidade “outdoors” que mostram as desvantagens de se enfrentar os congestionamentos e os ganhos possíveis de tempo e tranqüilidade maior com o uso dos ônibus, ainda mais nos corredores.
Transporte coletivo de qualidade, com ônibus modernos e rápidos que recebam privilégio no espaço urbano, é fundamental para que as pessoas sejam convencidas a deixar o carro em casa.
Mas a entidade acredita também que são necessárias mudanças culturais.
O individualismo e a culto ao carro ainda são muito presentes na sociedade brasileira ainda. Um processo que começou nos anos de 1950, com um novo estilo de vida urbano e pelo trabalho publicitário em prol da indústria automobilística. O carro tornou-se símbolo de status e liberdade.
Hoje a realidade não é mais essa, principalmente em relação à liberdade. O excesso de carros nas ruas tem tirado a qualidade de vida nas cidades e os deslocamentos se tornam cada vez mais difíceis.
As redes de transportes podem não ser suficientes ainda em praticamente todas as cidades. Mas algumas pessoas têm corredores e faixas exclusivas para ônibus, trem e metrô perto de casa e do trabalho e nunca tentaram ao menos ver como é deixar o carro pelo menos em alguns dias da semana.
Por isso, o Setransp considera este tipo de campanha importante para contribuir nesta mudança cultural.
Outras ações de conscientização devem ser tomadas pela entidade.


Fonte:  por: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Brasil só vai investir 1/4 do que é necessário para infraestrutura de transportes



ônibus atolado
Ônibus atolado em estrada de terra. Estudo da USP mostra que Brasil precisa investir até 2003, R$ 1,09 trilhão em infraestrutura para transporte de cargas e de passageiros intermunicipais e interestaduais, mas na prática, só deve aplicar um quarto disso. Levantamento mostra ainda que só 14% das estradas brasileiras são pavimentados. Foto: Erico Razzera.
Brasil só vai investir um quarto do que é necessário para infraestrutura de transportes, diz estudo da USP
O ideal seria que os investimentos até 2030 somassem R$ 1,09 trilhão. Apenas 14% das estradas brasileiras são pavimentados.
Com estradas sem condições mínimas de tráfego que impedem o escoamento da produção e a interligação entre pessoas de municípios e estados diferentes e provocam a quebra em atoleiros de caminhões e ônibus; com uma malha ferroviária subaproveitada; com portos e aeroportos defasados e com carência de hidrovias; o Brasil deve continuar no atraso quando o assunto é infraestrutura para os transportes.
Pelo menos é o que conclui estudo de Real Estate, da Escola Politécnica da USP, de responsabilidade dos professores Claudio Tavares de Alencar e João da Rocha Lima Júnior. O mestrando é Flávio Abdalla Lage.
Apresentado na 14ª Conferência Internacional da LARES (Latin American Real Estate Society), o trabalho indica a necessidade de investimentos de R$ 1,09 trilhão para infraestrutura em diversas modalidades de transportes, seja de carga ou passageiros de caráter intermunicipal ou interestadual, até 2030.
O número teve como base os cálculos do Fórum Internacional de Transporte – ITF que revelam o seguinte: em 47 países do mundo, a média de investimentos anuais no setor, entre 2002 e 2013, foi de 1,17% do PIB – Produto Interno Bruto de cada nação.
Assim, calculando as estimativas do PIB brasileiro, o País deveria para manter, modernizar e ampliar sua rede de transportes, dispor de ao menos este total de R$ 1,09 trilhão.
No entanto, o que o Brasil vai desembolsar de fato R$ 240 bilhões, um quarto do necessário, de acordo com o PIL – Programa de Investimento e Logística, anunciado em meados de 2012 pelo Governo Federal.
Com este total do programa ou mesmo alcançando o nível ideal, outra conclusão do estudo da Politécnica da USP é que é impossível o poder público ser o único agente financiador destes investimentos.
Segundo o trabalho, os aportes do Tesouro para o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social tiveram elevações nos últimos anos e agora seria necessário um ambiente mais seguro para a iniciativa privada começar a investir neste tipo de setor que requer grandes recursos de uma só vez em cada intervenção.
Além disso, o estudo mostra que o Brasil deve mudar o foco de investimentos, não privilegiando o transporte rodoviário, hoje responsável por 58% do transporte de cargas e algo em torno de 80% do transporte intermunicipal e interestadual de passageiros.
Mesmo assim, o trabalho acadêmico mostra que serão necessários muitos investimentos para que as estradas tenham padrões mínimos de eficiência.
Para se ter uma ideia do tamanho da gravidade da situação das estradas brasileiras, da malha de 1,5 milhão de quilômetros, apenas 14% são pavimentados. O resto é terra, lama e lodo.
Na China, este percentual é de 64%, na Rússia de 80% e na Alemanha, 100% das estradas são pavimentadas. Já no Canadá são 40% de estradas com pavimentação e na Austrália, 43%.
Diante disso, aponta o estudo da USP, para se ter um padrão mínimo comparado a outros países, o Brasil necessitaria construir 814 mil quilômetros de estradas e pavimentar outros 772 mil quilômetros. Em 86 anos, o Brasil só conseguiu construir e pavimentar 221 mil quilômetros de rodovias.
O estudo revela que o número de ferrovias deveria ser duplicado, subindo dos atuais 30 mil quilômetros para 60 mil quilômetros.
Do total de R$ 1,09 trilhão necessários até 2030 para que os transportes de carga e passageiros intermunicipal e interestadual possam ter estrutura adequada, os pesquisadores da USP recomendam a seguinte divisão:
– Transporte Rodoviário: R$ 607 bilhões
– Transporte Ferroviário: R$ 364 bilhões
– Transporte Hidroviário/Marítimo: R$ 85,5 bilhões
– Transporte Aéreo: R$ 33.3 bilhões.

Fonte:  por: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Uso do Cartão BOM com desconto gerou economia de R$ 1,3 milhão


Cartão BOM
Ônibus intermunicipal. Cartão BOM já garantiu R$ 1,3 milhão de economia para passageiros após desconto de R$ 1,35 por viagem na integração com trem e metrô. Foto: Adamo Bazani


Uso do Cartão Bom com desconto soma economia de R$ 1,3 milhão
De acordo com empresa que administra o bilhete, desde quando o desconto de R$ 1,35 por sentido de viagem foi aplicado, mais de 1 milhão de passageiros fizeram uso das transferências
A empresa Promobom Autopass, que administra o Cartão BOM, e o Governo do Estado de São Paulo, fizeram um balanço sobre a integração com desconto de R$ 1,35 entre ônibus intermunicipais na Grande São Paulo, contando também com o Corredor Metropolitano ABD, operado pela Metra, e os serviços da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos e o Metrô.
De acordo com o balanço, desde que foi implantada a integração, no dia 30 de agosto, foram realizadas aproximadamente um milhão de viagens que contemplam no trajeto os ônibus e o sistema metroferroviário.
Isso permitiu uma economia acumulada de R$ 1,3 milhão ente os passageiros.
A integração com desconto é possível na transferência entre os ônibus , metrô ou trem num período de três horas.
Por dia, contando com desconto de R$ 1,35 por sentido de viagem, o passageiro pode economizar R$ 2,70. Mas nem sempre o passageiro que faz uso da integração na ida, realiza também na volta, por isso o acumulado de R$ 1,3 milhão.
O desconto de R$ 1,35 é válido independente do valor da passagem do ônibus intermunicipal, que varia de acordo com a extensão da linha e o tipo de serviço (seletivo ou comum).
Por exemplo, um passageiro que sai de Diadema usando a linha da Metra 287 (Diadema / Santo André Oeste) pelo Corredor Metropolitano ABD e depois pega a linha 10 Turquesa da CPTM em Santo André, antes pagava R$ 6,20 nas duas conduções (R$ 3,20 – Metra + R$ 3,00 – CPTM).
Agora, com o desconto, passa a pagar R$ 4,85.
O desconto é para as modalidades Vale Transporte, Comum e Empresarial.
JÁ PARA O IDOSO…
A mesma facilidade com o Cartão BOM não é ainda sentida pelos idosos, com idades entre 60 e 64 anos, que possuem direito à gratuidade.
Antes somente mulheres com esta idade não pagavam passagem, mas em 02 de julho o governador Geraldo Alckmin regulamentou a lei que garante transporte gratuito independentemente do sexo do passageiro.
O Cartão BOM Sênior que deveria ser emitido para este público desde 07 de julho ainda não tem sido confeccionado.
A empresa e o Governo do Estado alegam problemas técnicos para a emissão.
Muitos idosos tiveram o embarque negado por motoristas de ônibus e agentes de terminais.
A EMTU diz que a prática é irregular e que o idoso a partir de 60 anos deve ser transportado gratuitamente apenas com a apresentação do RG.
Se a empresa negar o transporte, deve ser denunciada:
O telefone da EMTU é: 0800 724 05 55. O atendimento é de segunda-feira a sexta-feira das 7 horas às 19 horas.
O passageiro deve informar os seguintes dados:
– Número do ônibus ou local da catraca do terminal que foi negado o embarque.
– Nome da empresa de ônibus.
– Linha Utilizada
– Sentido da Viagem
– Horário da negativa do transporte.


Fonte:  por: Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Moradores de Caucaia do Alto fazem abaixo assinado por melhorias no transporte intermunicipais

Por que isto é importante

Caucaia do Alto tem pouquíssimos horários de ônibus de Caucaia x Butantã, os horários são 04:00 04:50 05:30 06:10 06:50 07:40 08:40 , porém principalmente nos horários de 04:50, 5:30 e 6:10 o ônibus já sai lotado do terminal, fazendo com que a população sofra com a superlotação.
A solução seria fácil, pelo menos mais dois horários um 05:20 empurra o próximo para 5:40 e um outro das 6:30. 
Durante o dia seria interessante ter alguns horários por exemplo 12:00 e 15 horas acho que assim já ajudaria e muito os caucaianos. 



>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


Meus Comentários:

Mediante a este abaixo assinado acrescendo também a sugestão para que a linha 297 seja estendida integralmente nos dias da semana , e operem nos finais de semana. 
Assim os passageiros terão maior comodidade e tranquilidade na hora de sair de casa e voltar.
A linha 297, Caucaia do Alto Metrô X Metrô Butanta, passando por dentro de Vargem Grande e operando todos os dias da semana, já é uma das reividicações dos moradores de Cotia,Caucaia do Alto e Vargem Grande.
Uma outra opção seria Vargem Grande até o Km 23 da Rodovia Raposo Tavares,pois assim daria uma outra opção de embarque para os passageiros.
Esperamos que venhamos ter novas conquistas para o transporte intermunicipais de Cotia e Região.

Sugestão encaminhada para a EMTU pelo protocolo: 342.133, no aguardo de respostas.

Consulte os horários e itinerários da linha 297 aqui: 

Fonte: Moradores de Cotia e Região.